Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Matemática
Luiz Alberto Melchert de Carvalho e Silva Sou um professor de Economia, cego, aventureiro acompanhado por dois fiéis escudeiros, ambos com quatro locomotores, um com patas, outro com cascos. Já me considero do tempo dos computadores, mas, enquanto estudante, usava muito o Braille e, principalmente, a boa-vontade dos amigos. Hoje, sem ver, ensino a quem vê e a quem não enxerga também.

Aprender a representação gráfica de forma tátil - 16/05/2007
Matemática

Geralmente, faz-se uma confusão medonha entre relevo e Braille. Anos atrás, um cego de nascença, estudante do ensino médio, disse-me que, se não houvesse o Braille, os cegos não teriam acesso aos gráficos e aos desenhos.

Braille é o código de escrita tão somente. Os desenhos são relevos, o que não tem nada a ver com o Braille. Se, num desenho em relevo, houver notação em Braille, seguindo suas normas, então podemos dizer que se trata de uma representação Braille.

Nos livros infantis, usa-se reproduzir as figuras em relevo como elas foram impressas à tinta. Isso não diz nada para um cego, a não ser que ele seja treinado nisso. É que a perspectiva é inerente à visão, o que não necessariamente significa qualquer coisa para um cego de nascença.

Planificar uma rosa, portanto, não passa de traduzir um emaranhado de curvas sob a perspectiva tátil do desenho. É preciso treinar o aluno cego a entender gráficos em geral, antes de lhe tentar incutir, por exemplo, o plano cartesiano.

Uma parábola não representa nada a quem nunca enxergou, por exemplo, uma bola sendo atirada em um jogo de basquete, ou para quem nunca viu uma pedra sendo jogada em um lago. Quando tive de ensinar tudo isso ao meu irmão mais novo, que nunca enxergou de fato, tendo perdido a visão aos três anos, porém, com pouquíssima acuidade visual anterior, usei alguns artifícios para
que ele entendesse exatamente do que se tratava.

Para explicar o plano cartesiano, usei um tabuleiro de xadrez para viagens, daqueles que possuem furos para que as peças, dotadas de pinos em sua base ali se encaixem. Isso permite que se jogue em um trem ou em um avião, sem que elas se desloquem inadvertidamente.

Simplesmente expliquei que os furos poderiam ser numerados de 1 a 8, tanto na vertical como na horizontal e que bastaria contá-los para localizar qualquer um deles. Assim, o que se costuma chamar de 1ª da torre, poder-se-ia chamar a mesma posição numericamente de 1,1, a 4ª do rei de 4,5 e assim por diante. Então, pedi-lhe que imaginasse um tabuleiro de xadrez com infinitas posições, tanto na vertical como na horizontal e tudo se explicou com grande facilidade daí por diante.

O cubaritmo, que não serve para ensinar a fazer contas, sua finalidade original, como eu já expliquei em outro texto, serve muito bem para ensinar o plano cartesiano.

Avaliação deste Artigo: 3 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










4 COMENTÁRIOS

1 Nícolas Henrique de Melo Guerra - Camboriú Santa catarina
Muito bom o artigo, estou iniciando uma pesquisa sobre métodos de ensino para deficientes visuais, para que possam entender e representar os desenhos, se possivel entrar em contato, nicolasguerra@hotmail.com Obrigado.
23/05/2011 17:06:03


2 ruth e. nogueira - Florianópolis
Gostei das observações e seu relato.Indiquei para meus alunos da graduação.. Também sou preocupada com a questão do ensino para DVs, só que na Geografia. Veja algumas coisas na nossa página www.labtate.ufsc.br
06/05/2010 23:56:08


3 mauricio francisco ribeiro - rio de janeiro
exelente artigo paz e bem mauricio
23/10/2007 13:12:48


4 Rita - Maceió
Luiz, Que beleza! Que texto ótimo! Já indiquei para alguns amigos. Um abraço. Rita
19/05/2007 08:54:47


ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.