Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Filosofando
 

Fraturas da alma e do corpo nascem na família - 19/06/2012
Pedro Antônio Bernardi

A família é a principal autora do bem e do mal. A tendência é a sociedade piorar em razão da absoluta maioria das famílias mal-constituídas e planejadas não cumprirem sua missão.

A família precisa ser vacinada contra drogas, insensibilidade, indiferença, mau humor e desrespeito.

Os pais que não acompanham os passos dos filhos e, cedo ou tarde, pagam preço alto.

Conversa e prevenção são formas eficazes de evitar males, como o consumo de drogas, violência, criminalidade, doença da Aids e abortos.

Há necessidade de revisão de atitudes, comportamentos, maneiras de agir e de comunicar. Ninguém educa, e muito menos é feliz sem amar, admirar, valorizar.

A família não corre risco de desaparecer da face da terra, apesar de todas as ameaças que sofre por certos programas televisivos.

Pais e filhos que exercitam e cultivam o diálogo, a paciência, o perdão e o amor, estes estão vacinados e sabem se prevenir.

É suficiente um dos quatro pilares ruir para a família se fragmentar, fragilizar ou, até, se dissolver. Às vezes, basta um membro do organismo adoecer para a pessoa morrer.

Os erros mais comuns na família são as fraturas da alma e da fé, o mau uso da inteligência, o abandono da oração e da caridade.

Passou da hora de restaurar o caminho da união, da liberdade e da comunicabilidade entre as pessoas que habitam no mesmo lar.

A comunicação se faz pela linguagem, sentimentos e cordialidade.

É certo que, muitas vezes, nem é preciso de palavras. Por si só o coração, o olhar, o abraço e o beijo são suficientes para comunicar.

Em contrapartida, quando há divisão, brigas, mentiras e infidelidade, como se o homem e a mulher fossem duas espécies, há perda de energias, pânico e falta de ânimo para prosseguirem juntos.

Pais, professores, lideranças religiosas, meios de comunicação, empregadores e empreendedores precisam ser mais protetores da mocidade.

Por conta de embates e agressividade entre adultos, as crianças vêm sofrendo problemas físicos e psicológicos irreversíveis.

Até 12 ou mais anos, ninguém está seguro de suas ações, está por assim dizer no ar, não tem certeza de seus ideais, metas, perspectivas futuras.

Importante, então, no final de cada jornada perguntar-se: O que fiz de bom para meu filho? Perdoei? Fui paciente? Dialoguei?

Como é agradável se as respostas confirmassem que a gente semeou e respirou paz, bem e amor.

Como é confortável quando tudo foi feito para evitar fraturas.

Como é animador quando são usados todos os esforços para solucionar problemas de rotina.

Como é estimulante quando o companheirismo enriquece, unifica, protege e faz crescer cultural, material e espiritualmente.

Pedro Antônio Bernardi é Jornalista, economista e professor. Contato: pedro.professor@gmail.com

Avaliação deste Artigo: 5 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










1 COMENTÁRIOS

1 Erni Dickel - Porto Alegre
Excelente artigo, parabéns!!! Acredito profundamente em todo seu conteúdo e tenho ESPERANÇA de que vai chegar a hora da humanidade se dar conta de que é possivel construir um mundo melhor, a partir dos valores que podem e devem ser trabalhados nas pessoas, desde a mais tenra idade, especialmente no convivio familiar. Pena mesmo que os meios de comunicação de massa não ajudam nessa!! ao contrário, temos verdadeiras escolas de sacanagem. lamentável!!
19/06/2012 22:30:21


ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.