Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Diário de Classe
 

Ano novo, escola nova: como lidar com o período de mudança - 30/01/2012
A troca deve ser vista como um processo de adaptação. Muito diálogo e amparo são importantes nesse momento

O período é o de volta às aulas. Muitos alunos estão ansiosos para rever os amigos, os professores e para conhecer os novos alunos.

Esses últimos, por sua vez, vivem a angústia de imaginar como será o ano em uma nova escola. A mudança – à primeira vista traumática – deve ser vista como um processo de adaptação e receber total apoio dos pais.

Os fatores que motivam a mudança são os mais variados: troca de endereço, incompatibilidade da família com a proposta da escola, não adaptação da criança ao projeto escolar, entre outros

Segundo Francisca Paris, pedagoga, mestre em educação e diretora de serviços educacionais da divisão de sistemas de ensino da Editora Saraiva, os pais sempre devem expor os reais motivos da escolha de uma nova escola. “A mudança pode ser vista de uma forma benéfica porque a vida é assim, nada é estático ou imóvel. Sejam verdadeiros e comuniquem os reais fatores que os levaram à decisão”, explica a pedagoga.

No entanto, nem sempre as justificativas convencem os pequenos. Neste caso, deve ficar claro que o poder de decisão é dos pais, pois a criança não tem condições de avaliar se uma escola é melhor ou não.

“Ela pode externar um mal-estar e manifestar um sofrimento, mas, se os pais estiverem seguros de que a decisão foi a melhor, não devem ceder às birras. Muito diálogo, muita escuta e amparo são importantes nesse momento. Levar a criança ao novo ambiente, deixar que ela os veja abraçando os educadores e conversando com eles e até frequentar a escola por alguns dias são dicas que costumam dar certo”, orienta Francisca.

Aos pais, cabe a percepção de que na vida acontecem diversas situações de adaptação, por isso esta fase deve ser respeitada. “Os filhos precisam perceber que os pais confiam nos educadores e no projeto da nova escola. As crianças comunicam-se e criam laços facilmente, basta observá-las em uma praça ou parque. Logo farão novos amigos”, acrescenta a pedagoga.

Apesar de o sofrimento ser imensurável e variar de acordo com a faixa etária, os jovens tendem a sofrer mais com a adaptação. É nessa fase que os adolescentes formam grupos, que são fundamentais na construção de sua identidade e autonomia.

Nesse período, acontece o fortalecimento dos laços com os amigos e, consequentemente, o rompimento das relações com os pais. “Propor o afastamento do grupo pode parecer-lhes trágico, mas também nessas circunstâncias são os pais os decisores e, caso decidam mudar os filhos adolescentes de escola, vale também o apoio. Pode-se propor uma reunião com os novos colegas da classe em casa para facilitar o entrosamento”, sugere a educadora.

Para Francisca, o envolvimento dos educadores também é fundamental nessa fase delicada. “Os professores têm como tarefa profissional ajudar no processo de adaptação. É preciso que alguém da escola apresente o novo colega aos demais e conte sua história ao corpo docente. Atitudes como aproximar-se do novato, mostrar os diferentes ambientes da escola e colocar-se à disposição para ajudá-lo em momentos de dificuldade são iniciativas que dão resultado”, recomenda.

Mediante todos os esforços, se o aluno ainda apresentar dificuldades em adaptar-se, a decisão pode ser repensada e Francisca aponta dois caminhos: ou decide-se por uma nova mudança ou tenta-se, junto do filho, encarar a frustração como processo de amadurecimento.

Algumas dicas para uma mudança menos traumática:

- Fiquem ao lado (física e emocionalmente) dos filhos diante do novo.
- Sejam verdadeiros e comuniquem os reais fatores que os levaram à decisão.
- Acompanhem os passos da mudança.
- Encorajem os filhos diante dos primeiro temores.
- Conversem com os professores e solicitem uma comunicação mais próxima.
- Perguntem sobre os desafios de cada dia.
- Incentivem novas amizades.
- Ajudem nas primeiras tarefas, que podem parecer estranhas.
- No caso das crianças, proponham um período de adaptação.
- Promovam uma “noite do pijama” em casa e convidem os novos amigos.
- Não negligenciem as solicitações da escola, mas cumpra-as para a criança não ficar constrangida.
- Observem a cultura escolar e a sigam para a criança não se sentir deslocada.
- Fiquem sempre alertas: se os sinais de sofrimento não reduzirem, procurem ajuda junto à escola.

*Divulgado por Ex-Libris Comunicação Integrada/Ana Carolina Esmeraldo.

Avaliação deste Artigo: 4 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










3 COMENTÁRIOS

1 Liliane - Cruz das Almas
Mudamos de cidade e precisei encontrar uma nova escola para os meus filhos. Porém, a que optei, que julguei ser melhor, percebi que tem uma metodologia de ensino completamente diferente da escola que meus filhos estavam acostumados. Em consequência disso, eles tem apresentado resistência na execução das tarefas de casa. Confesso que também não me sinto confiante e segura com o método da escola, mas também não tenho muitas opções para escolher. O que posso fazer?
17/04/2013 18:27:31


2 Samira J. Zaitune - Sorocaba
Minha neta mudou de escola este ano, passou para o período integral, além de ir para a primeira série, ela tem só 6 anos e está estranhando bastante. Gostaria de uma indicação de literatura infantil onde mostrassem a adaptação de uma criança a sua nova escola para poder encorajála e conversar sobre o assunto. Desde já agradeço
22/02/2013 08:57:00


3 Samira J. Zaitune - Sorocaba
Minha neta mudou de escola este ano, passou para o período integral, além de ir para a primeira série, ela tem só 6 anos e está estranhando bastante. Gostaria de uma indicação de literatura infantil onde mostrassem a adaptação de uma criança a sua nova escola para poder encorajála e conversar sobre o assunto. Desde já agradeço
22/02/2013 08:56:39


ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.