Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Assaltaram a Gramática
 

Sem cultivar o hábito da leitura, universitários brasileiros escrevem mal, afirma professor - 08/09/2011
Antonio Carlos Olivieri

A leitura é um pré-requisito para a produção da escrita. No entanto, muitos universitários ainda ignoram essa recomendação.

De acordo com uma pesquisa realizada no início desse ano com aproximadamente 20 mil estudantes de graduação de universidades federais, desenvolvida pela Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), nas universidades brasileiras cada aluno lê, em média, de uma a quatro obras por ano.

“Por meio da leitura se internalizam os mecanismos envolvidos na composição de um texto. Quem lê mal ou lê pouco não acumula conhecimentos, não dispõe do instrumental intelectual necessário à produção de um bom texto e não consegue mobilizar os recursos linguísticos que o ato de redigir exige. Seu repertório cultural fica limitado”, afirma o professor de língua portuguesa Antonio Carlos Olivieri, criador do site Página da Redação (www.paginadaredacao.com.br), que treina a produção de textos pela internet.

Olivieri compara essa relação entre leitura e escrita com o aprendizado de uma língua estrangeira:

“O primeiro passo é adquirir vocabulário e as estruturas básicas da frase nessa nova língua. Essa é uma fase, digamos assim, passiva do aprendizado e é depois dela que se passa à forma ativa, que é falar a língua estrangeira”, exemplifica. Ou seja, a leitura corresponde a esse aprendizado, sem o qual não pode haver a parte ativa, que é a da produção de textos.

Ainda de acordo com a pesquisa da Andifes, a Universidade Federal do Maranhão lidera o ranking dos universitários que não leem nada, com 23,24% dos seus estudantes sem ler um livro sequer ao longo de um ano.

“Diante deste lamentável quadro da leitura entre os universitários brasileiros, não é de espantar os níveis de reprovação de exames como os da OAB - Ordem dos Advogados do Brasil, por exemplo”, conclui Olivieri.

Sobre a Página da Redação
A empresa Página 3 Pedagogia & Comunicação, especializada em desenvolver conteúdo para sites educacionais, criou o site Página da Redação (www.paginadaredacao.com.br), que simula a mesma situação vivida por quem vai prestar vestibular e deseja treinar sua redação.

Ao se cadastrar e adquirir os créditos para realizar o simulado – ao custo de R$ 20 por redação, pago pelo sistema PagSeguro via boleto, débito ou transferência –, o internauta pode escolher um dos temas oferecidos, ler o material disponível no site sobre o assunto, escrever seu texto e enviá-lo para a análise de professores especializados.

Em até 10 dias úteis, o autor receberá a redação comentada e corrigida de acordo com os parâmetros utilizados nas principais avaliações do país.

“Só existe uma maneira de melhorar a redação: escrevendo mais e submetendo o texto à análise de um profissional qualificado. De preferência, de alguém que não conheça o redator”, diz Antonio Carlos Olivieri, professor de língua portuguesa, jornalista e diretor da Página 3 Pedagogia & Comunicação.

Avaliação deste Artigo: 5 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










0 COMENTÁRIOS
ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.