Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Aprender com as Diferenças
Romeu Kazumi Sassaki 

Como chamar as pessoas que têm deficiência? - 14/06/2010
Romeu Kazumi Sassaki

Citação bibliográfica:

SASSAKI, Romeu Kazumi. Como chamar as pessoas que têm deficiência? Revista da Sociedade Brasileira de Ostomizados, ano I, n. 1, 1° sem. 2003, p.8-11. [Texto atualizado em 2009]

Em todas as épocas e localidades, a pergunta que não quer se calar tem sido esta, com alguma variação: “Qual é o termo correto - portador de deficiência, pessoa portadora de deficiência ou portador de necessidades especiais?” Responder esta pergunta tão simples é simplesmente trabalhoso, por incrível que possa parecer.

Comecemos por deixar bem claro que jamais houve ou haverá apenas um termo correto, válido definitivamente em todos os tempos e espaços, ou seja, latitudinal e longitudinalmente. A razão disto reside no fato de que a cada época são utilizados termos cujo significado seja compatível com os valores vigentes em cada sociedade, enquanto esta evolui em seu relacionamento com as pessoas que possuem este ou aquele tipo de deficiência. Percorramos, mesmo que superficialmente, a trajetória dos termos utilizados ao longo da história da atenção às pessoas com deficiência, no Brasil.

ÉPOCA

TERMOS E SIGNIFICADOS

VALOR DA PESSOA

No começo da história, durante séculos. Romances, nomes de instituições, leis, mídia e outros meios mencionavam “os inválidos”. Exemplos: “A reabilitação profissional visa a proporcionar aos beneficiários inválidos...” (Decreto federal nº 60.501, de 14/3/67, dando nova redação ao Decreto nº 48.959-A, de 19/9/60).

“Os inválidos”. O termo significava “indivíduos sem valor”. Em pleno século 20, ainda se utilizava este termo, embora já sem nenhum sentido pejorativo.

Outro exemplo:

“Inválidos insatisfeitos com lei relativa aos ambulantes” (Diário Popular, 21/4/76).

Aquele que tinha deficiência era tido como socialmente inútil, um peso morto para a sociedade, um fardo para a família, alguém sem valor profissional.  

Outros exemplos:

“Servidor inválido pode voltar” (Folha de S. Paulo, 20/7/82).
“Os cegos e o inválido” (IstoÉ, 7/7/99).

 

Século 20 até ± 1960.
“Derivativo para incapacitados” (Shopping News, Coluna Radioamadorismo, 1973).

“Escolas para crianças incapazes” (Shopping News, 13/12/64).

Após a I e a II Guerras Mundiais, a mídia usava o termo assim: “A guerra produziu incapacitados”, “Os incapacitados agora exigem reabilitação física”.

“Os incapacitados”. O termo significava, de início, “indivíduos sem capacidade” e, mais tarde, evoluiu e passou a significar “indivíduos com capacidade residual”. Durante várias décadas, era comum o uso deste termo para designar pessoas com deficiência de qualquer idade. Uma variação foi o termo “os incapazes”, que significava “indivíduos que não são capazes” de fazer algumas coisas por causa da deficiência que tinham.

Foi um avanço a sociedade reconhecer que a pessoa com deficiência poderia ter capacidade residual, mesmo que reduzida.

Mas, ao mesmo tempo, considerava-se que a deficiência, qualquer que fosse o tipo, eliminava ou reduzia a capacidade da pessoa em todos os aspectos: físico, psicológico, social, profissional etc.  

 

 

 De ± 1960 até ± 1980.

“Crianças defeituosas na Grã-Bretanha tem educação especial” (Shopping News, 31/8/65).

No final da década de 50, foi fundada a Associação de Assistência à Criança Defeituosa – AACD (hoje denominada Associação de Assistência à Criança Deficiente).

Na década de 50 surgiram as primeiras unidades da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - APAE.

 

 “Os defeituosos”.  O termo significava “indivíduos com deformidade” (principalmente física).
“os deficientes”. Este termo significava “indivíduos com deficiência” física, intelectual, auditiva, visual ou múltipla, que os levava a executar as funções básicas de vida (andar, sentar-se, correr, escrever, tomar banho etc.) de uma forma diferente daquela como as pessoas sem deficiência faziam. E isto começou a ser aceito pela sociedade.
“os excepcionais”. O termo significava “indivíduos com deficiência intelectual”.

A sociedade passou a utilizar estes três termos, que focalizam as deficiências em si sem reforçarem o que as pessoas não conseguiam fazer como a maioria. 
Simultaneamente, difundia-se o movimento em defesa dos direitos das pessoas superdotadas (expressão substituída por “pessoas com altas habilidades” ou “pessoas com indícios de altas habilidades”). O movimento mostrou que o termo “os excepcionais” não poderia referir-se exclusivamente aos que tinham deficiência intelectual, pois as pessoas com superdotação também são excepcionais por estarem na outra ponta da curva da inteligência humana.

De 1981 até ± 1987. Por pressão das organizações de pessoas com deficiência, a ONU deu o nome de “Ano Internacional das Pessoas Deficientes” ao ano de 1981.

E o mundo achou difícil começar a dizer ou escrever “pessoas deficientes”. O impacto desta terminologia foi profundo e ajudou a melhorar a imagem destas pessoas.

“Pessoas deficientes”. Pela primeira vez em todo o mundo, o substantivo “deficientes” (como em “os deficientes”) passou a ser utilizado como adjetivo, sendo-lhe acrescentado o substantivo “pessoas”.

A partir de 1981, nunca mais se utilizou a palavra “indivíduos” para se referir às pessoas com deficiência.

Foi atribuído o valor “pessoas” àqueles que tinham deficiência, igualando-os em direitos e dignidade à maioria dos membros de qualquer sociedade ou país.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) lançou em 1980 a Classificação Internacional de Impedimentos, Deficiências e Incapacidades, mostrando que estas três dimensões existem simultaneamente em cada pessoa com deficiência.

 

De ± 1988 até ± 1993.

Alguns líderes de organizações de pessoas com deficiência contestaram o termo “pessoa deficiente” alegando que ele sinaliza que a pessoa inteira é deficiente, o que era inaceitável para eles.

“Pessoas portadoras de deficiência”. Termo que, utilizado somente em países de língua portuguesa, foi proposto para substituir o termo “pessoas deficientes”.

Pela lei do menor esforço, logo reduziram este termo para “portadores de deficiência”.

O “portar uma deficiência” passou a ser um valor agregado à pessoa. A deficiência passou a ser um detalhe da pessoa. O termo foi adotado nas Constituições federal e estaduais e em todas as leis e políticas pertinentes ao campo das deficiências. Conselhos, coordenadorias e associações passaram a incluir o termo em seus nomes oficiais.

 

 De ± 1990 até hoje. O art. 5° da Resolução CNE/CEB n° 2, de 11/9/01, explica que as necessidades especiais decorrem de três situações, uma das quais envolvendo dificuldades vinculadas a deficiências e dificuldades não-vinculadas a uma causa orgânica.

 “Pessoas com necessidades especiais”.  O termo surgiu primeiramente para substituir “deficiência” por “necessidades especiais”, daí a expressão “portadores de necessidades especiais”. Depois, esse termo passou a ter significado próprio sem substituir o nome “pessoas com deficiência”.

De início, “necessidades especiais” representava apenas um novo termo. Depois, com a vigência da Resolução n° 2, “necessidades especiais” passou a ser um valor agregado tanto à pessoa com deficiência quanto a outras pessoas.

 

Mesma época acima. Surgiram expressões como “crianças especiais”, “alunos especiais”, “pacientes especiais” e assim por diante numa tentativa de amenizar a contundência da palavra “deficientes”.

“Pessoas especiais”. O termo apareceu como uma forma reduzida da expressão “pessoas com necessidades especiais”, constituindo um eufemismo dificilmente aceitável para designar um segmento populacional. 

O adjetivo “especiais” permanece como uma simples palavra, sem agregar valor diferenciado às pessoas com deficiência. O “especial” não é qualificativo exclusivo das pessoas que têm deficiência, pois ele se aplica a qualquer pessoa. 

 

Em junho de 1994. A Declaração de Salamanca preconiza a educação inclusiva para todos, tenham ou não uma deficiência.

“Pessoas com deficiência” e pessoas sem deficiência, quando tiverem necessidades educacionais especiais e se encontrarem segregadas, têm o direito de fazer parte das escolas inclusivas e da sociedade inclusiva.  

O valor agregado às pessoas é o de elas fazerem parte do grande segmento dos excluídos que, com o seu poder pessoal, exigem sua inclusão em todos os aspectos da vida da sociedade. Trata-se do empoderamento.

 

Em maio de 2002. Frei Betto escreveu no jornal O Estado de S.Paulo um artigo em que propõe o termo “portadores de direitos especiais” e a sigla PODE.
Alega o proponente que o substantivo “deficientes” e o adjetivo “deficientes” encerram o significado de falha ou imperfeição enquanto que a sigla PODE exprime capacidade.

O artigo, ou parte dele, foi reproduzido em revistas especializadas em assuntos de deficiência.

 

“Portadores de direitos especiais”.  O termo e a sigla apresentam problemas que inviabilizam a sua adoção em substituição a qualquer outro termo para designar pessoas que têm deficiência. O termo “portadores” já vem sendo questionado por sua alusão a “carregadores”, pessoas que “portam” (levam) uma deficiência. O termo “direitos especiais” é contraditório porque as pessoas com deficiência exigem equiparação de direitos e não direitos especiais. E mesmo que defendessem direitos especiais, o nome “portadores de direitos especiais” não poderia ser exclusivo das pessoas com deficiência, pois qualquer outro grupo vulnerável pode reivindicar direitos especiais.

Não há valor a ser agregado com a adoção deste termo, por motivos expostos na coluna ao lado e nesta.

A sigla PODE, apesar de lembrar “capacidade”, apresenta problemas de uso:
1) Imaginem a mídia e outros autores escrevendo ou falando assim: “Os Podes de Osasco terão audiência com o Prefeito...”, “A Pode Maria de Souza manifestou-se a favor...”, “A sugestão de José Maurício, que é um Pode, pode ser aprovada hoje...
2) Pelas normas brasileiras de ortografia, a sigla PODE precisa ser grafada “Pode”.   
  Norma: Toda sigla com mais de 3 letras pronunciada como uma palavra deve ser grafada em caixa baixa com exceção da letra inicial.

 

De ± 1990 até hoje e além.

A década de 90 e a primeira década do século 21 e do Terceiro Milênio estão sendo marcadas por eventos mundiais, liderados por organizações de pessoas com deficiência.

A relação de documentos produzidos nesses eventos pode ser vista no final deste artigo.

“Pessoas com deficiência” passa a ser o termo preferido por um número cada vez maior de adeptos, boa parte dos quais é constituída por pessoas com deficiência que, no maior evento (“Encontrão”) das organizações de pessoas com deficiência, realizado no Recife em 2000, conclamaram o público a adotar este termo. Elas esclareceram que não são “portadoras de deficiência” e que não querem ser chamadas com tal nome.

Os valores agregados às pessoas com deficiência são:

1) o do empoderamento [uso do poder pessoal para fazer escolhas, tomar decisões e assumir o controle da situação de cada um] e

2) o da responsabilidade de contribuir com seus talentos para mudar a sociedade rumo à inclusão de todas as pessoas, com ou sem deficiência.

 


Os movimentos mundiais de pessoas com deficiência, incluindo os do Brasil, estão debatendo o nome pelo qual elas desejam ser chamadas. Mundialmente, já fecharam a questão: querem ser chamadas de “pessoas com deficiência” em todos os idiomas. E esse termo faz parte do texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, adotado pela ONU em 13/12/06 e a ser ratificado posteriormente através de lei nacional de todos os Países-Membros. No Brasil, este tratado foi ratificado, com equivalência de emenda constitucional, através do Decreto Legislativo n. 186, de 9/7/08, do Congresso Nacional.

Eis os princípios básicos para os movimentos terem chegado ao nome “pessoas com deficiência”:

 - Não esconder ou camuflar a deficiência;

- Não aceitar o consolo da falsa idéia de que todo mundo tem deficiência;

- Mostrar com dignidade a realidade da deficiência;

- Valorizar as diferenças e necessidades decorrentes da deficiência;

- Combater eufemismos (que tentam diluir as diferenças), tais como “pessoas com capacidades especiais”, “pessoas com eficiências diferentes”, “pessoas com habilidades diferenciadas”, “pessoas deficientes”, “pessoas especiais”, “é desnecessário discutir a questão das deficiências porque todos nós somos imperfeitos”, “não se preocupem, agiremos como avestruzes com a cabeça dentro da areia” (i.é, “aceitaremos vocês sem olhar para as suas deficiências”);

- Defender a igualdade entre as pessoas com deficiência e as demais pessoas em termos de direitos e dignidade, o que exige a equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência atendendo às diferenças individuais e necessidades especiais, que não devem ser ignoradas;

- Identificar nas diferenças todos os direitos que lhes são pertinentes e a partir daí encontrar medidas específicas para o Estado e a sociedade diminuírem ou eliminarem as “restrições de participação” (dificuldades ou incapacidades causadas pelos ambientes humano e físico contra as pessoas com deficiência).

Conclusão

A tendência é no sentido de parar de dizer ou escrever a palavra “portadora” (como substantivo e como adjetivo).  A condição de ter uma deficiência faz parte da pessoa e esta pessoa não porta sua deficiência. Ela tem uma deficiência. Tanto o verbo “portar” como o substantivo ou o adjetivo “portadora” não se aplicam a uma condição inata ou adquirida que faz parte da pessoa. Por exemplo, não dizemos e nem escrevemos que certa pessoa é portadora de olhos verdes ou pele morena.
Uma pessoa só porta algo que ela possa não portar, deliberada ou casualmente. Por exemplo, uma pessoa pode portar um guarda-chuva se houver necessidade e deixá-lo em algum lugar por esquecimento ou por assim decidir. Não se pode fazer isto com uma deficiência, é claro.
A quase totalidade dos documentos, a seguir mencionados, foi escrita e aprovada por organizações de pessoas com deficiência que, nos debates para a elaboração do texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, estão chegando ao consenso quanto a adotar a expressão “pessoas com deficiência” em todas as suas manifestações orais ou escritas.

Documentos do Sistema ONU

- 1990 - Declaração Mundial sobre Educação para Todos (UNESCO).
- 1993 - Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência (ONU).
- 1993 - Inclusão Plena e Positiva de Pessoas com Deficiência em Todos os Aspectos da Sociedade (ONU).
- 1994 - Declaração de Salamanca e Linhas de Ação sobre Educação para Necessidades Especiais (UNESCO).
- 1999 - Convenção Interamericana para Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência [conhecida como a Convenção da Guatemala] (OEA).
- 2001 - Classificação Internacional de Funcionalidade, Deficiência e Saúde (OMS), [que substituiu a Classificação Internacional de Impedimentos, Deficiências e Incapacidades, de 1980].
- 2004 – Declaração de Montreal sobre Deficiência Intelectual (OMS-Opas).
- 2006 - Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (ONU), [adotada em 13/12/06 pela Assembleia Geral da ONU].

Documentos de outros organismos mundiais

- 1992 - Declaração de Vancouver.
- 1993 - Declaração de Santiago.
- 1993 - Declaração de Maastricht.
- 1993 - Declaração de Manágua.
- 1999 - Carta para o Terceiro Milênio.
- 1999 - Declaração de Washington.
- 2000 - Declaração de Pequim.
- 2000 - Declaração de Manchester sobre Educação Inclusiva.
- 2002 - Declaração Internacional de Montreal sobre Inclusão.
- 2002 - Declaração de Madri.
- 2002 - Declaração de Sapporo.
- 2002 - Declaração de Caracas.
- 2003 – Declaração de Kochi.
- 2003 – Declaração de Quito
- 2004 – Declaração de Montreal sobre Deficiência Intelectual.

Notas:

O texto acima foi atualizado em janeiro de 2009.

Romeu Kazumi Sassaki é:

- Consultor de inclusão social. E-mail: romeukf@uol.com.br.

- Autor dos livros:

 Inclusão: Construindo uma Sociedade para Todos (7. ed., Rio de Janeiro: Editora WVA, 2006). Inclusão no Lazer e Turismo: Em Busca da Qualidade de Vida (São Paulo: Áurea, 2003). Co-autor dos livros:

Síndrome de Gilles de La Tourette: Tiques nervosos e transtornos de comportamento associados na infância e adolescência (SANTOS, Marcos Pragana dos. São Paulo: Lemos, 1998). Inclusão dá Trabalho (ABRANCHES, Cristina. Belo Horizonte: Armazém de Idéias, 2000). Trabalho e Deficiência Mental: Perspectivas Atuais (OLIVEIRA, Maria Helena. Brasília: APAE-DF, 2003). Educação Profissional e Trabalho para Pessoas com Deficiências Intelectual e Múltipla: Plano Diretor para Gestores e Profissionais (OLIVEIRA, Maria Helena. Brasília: Fenapaes, 2007).

C:\Romeu Sassaju\My Documents\Textos de Word\Terminologias\Como chamar as pessoas que têm deficiência.doc

Avaliação deste Artigo: 4 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










7 COMENTÁRIOS

1 Ana - Goiânia
Olá, tenho síndrome de tourrete desde 5 anos de idade, meus tiques eram tão severos que fiz uma eletroneuroestimulação profunda, reduzindo significativamente meus tiques. Nunca tive trabalho algum, sempre tive dificuldade no aprendizado, isto foi atestado em laudo neuropsicológico e no entanto, quando presto concurso público para vagas destinadas a PNE, minhas perícias são indeferidas. Tive limitação social, de lazer e de aprendizado. E não entendo o porquê não tenho direito a nada. O governo nunca pagou nada pra mim, nunca ninguém quis me empregar devido aos espasmos e vocalizações e acho que agora pensam que estou curada. Vc poderia me ajudar?
17/04/2013 00:05:08


2 patricia dantas caetano - vilavelhaes
tenho duas filha deficiência,mais não aceitou ser chamada de deficiÊncia ,ela como igual qualquer ,sou é diferente ,para mim,ela especial sempre será,amo com toda minha força.
15/12/2012 11:51:57


3 Maria Dulce de Lima - Belo Horizonte
Gostei muito do site e deste artigo.Acho que no caso da deficiencia intelectual,que é o caso do meu filho,prefiro continuar usando o termo especial,pois o meu filho e todos os colegas dele são muito especiais.Eles são uma bênção de Deus
14/12/2012 17:41:15


4 Rosa Santos - Cascavel
Gostei de ter encontrado este sítio e li o artigo. Particularmente não gosto do termo deficiente, e substituo as vezes por dificuldade, que me traduz possibilidades de superação. Ainda não me sinto à vontade com os termo pessoa com deficiência, pelo menos aqui no Brasil esse termo se apresenta com ares ainda pejorativos e de préconceito. Gostaria que se encontrasse uma palavra que fosse usada no mundo inteiro, mas com uma conotação menos delimitadora. É isso!
21/06/2010 11:40:08


5 Sandra Regina Carvalho Boschilia - São Paulo
Muito boa pesquisa! As pessoas com deficiência precisam conhecer os seus direitos, que estão positivados na Constituição. Precisam de capacitação, oportunidade de emprego, qualificação, medicina preventiva, melhor atendimento médico, acessibilidade dentro dos centros urbanos, garantia de inclusão, menos preconceito. Atitudes positivas, decisões criativas e muito respeito. Por que já vivemos eu sou deficiente muito tempo a margem da sociedade. Exemplos de superação estão na nossa vida todos os dias.O pior preconceito não é o rótulo que nos dão, mas a falta de perspectiva, a falta de instrução e informação. Por nem todos nascem deficientes, mas muitos podem se tornar no decorrer da vida. Quero aproveitar e divulgar sobre o trabalho sério e comprometido do Instituto Pró Cidadania. www.institutoprocidadania.org.br sandra@ipcpe.org.br
20/06/2010 13:06:39


6 andreia -
muito bom esse portador de informação sobre o assunto que além de complexo está ganhando contornos identitários mais dignos.Isso é conhecimento, embora sempre existirão termos e termos associados a visão de cada um sobre as particularidades dos indivíduos, pra mim o que é bacana é a questão da visibilidade, do pensar na questão de pensar na adaptabilidade, arquitetura, direitos etc
15/06/2010 20:13:13


7 celia - Bragança Paulista
Gostei muito do texto,bem didático e esclarecedor
14/06/2010 21:38:37


ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.