Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Entrevistando para Saber
Leonardo Campos Cerqueira Formado em Letras, na Universidade Federal da Bahia. Pesquisador nesta mesma instituição, atuando na área de cinema, cultura, literatura e mídia.

Entrevistando Rosita Edler - 20/05/2010
Leonardo Campos

Rosita Edler é pedagoga, psicóloga, doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisadora na área de Educação Brasileira, com enfoque para a Educação Inclusiva, área na qual é especialista e atua também como consultora técnica. Sua atuação no campo educacional a fez detentora da medalha de honra ao mérito educativo.


1.O primeiro ângulo a iluminar nesta entrevista é a educação especial no Brasil hoje. Comparando com o seu ponto de partida nestes estudos, considera que houve grandes mudanças?

Sim, considero que houve muitas mudanças e de uma forma tão ágil que nem todos puderam elaborar suficientemente bem.

2. Da época do seu livro Temas em educação especial para os dias atuais, as leis mudaram e os governantes também. Considera satisfatória a gestão Lula no que tange à educação especial no Brasil?

A atual gestão tem a marca de seu tempo. Só conheceremos os efeitos positivos e negativos com o passar do tempo. Assim funciona a análise histórica dos fatos e fenômenos.

3. De acordo com suas pesquisas no assunto, qual seria o país que melhor investe em questões relacionadas ao Atendimento educacional especial?

O conceito de melhor é muito relativo, principalmente quando se tratam de investimentos. Se disserem respeito a recursos, infelizmente desconheço o quanto os países realmente aplicam no atendimento educacional especial e se o conceituam como alguns de nós fazemos. Se disserem respeito a ideias, penso que a França tem investido muito, principalmente na retomada dos estudos sobre laço social e educação.

4. E a pesquisa científica? Quais seriam os Estados brasileiros com maior (e melhor) desenvolvimento nos estudos sobre o assunto?

Creio que os estados do sul e do sudeste ainda estão na vanguarda, embora mereçam destaque os esforços dos estados das demais regiões do Brasil.

5. Falando de cinema: acha que o cinema colabora com o entendimento da educação especial ou apenas reitera os estereótipos e preconceitos diante do espectador? Gostaria de citar um caso específico?

Depende do filme. A história de Gaby é um exemplo de combate aos estereótipos. Trata-se de uma história verdadeira, bela e emocionante.

6. Quais são os mais comuns preconceitos e estereótipos enfrentados pelos deficientes?

Segundo os relatos das próprias pessoas, é o fato de não se dar vez e voz a elas mesmas, sempre que se tratarem de questões que lhes digam respeito.

Avaliação deste Artigo: 5 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










0 COMENTÁRIOS
ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.