Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Assaltaram a Gramática
Erika de Souza Bueno Coordenadora Educacional da empresa Planeta Educação; Professora e consultora de Língua Portuguesa pela Universidade Metodista de São Paulo; Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família; Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). E-mail: erika.bueno@fk1.com.br

Interpretação de músicas - 25/01/2010
Gêneros musicais como ferramentas de trabalho

A música é uma forma cativante de dar voz a sentimentos enfurnados dentro de nós e, este “nós”, pode ser entendido, até mesmo, como a sociedade em geral. Nossa voz só evidencia aquilo que está dentro de nós e, através dos gêneros musicais, conhecemos os pensamentos, as convicções políticas, a irritabilidade social e tantas outras possibilidades que estão guardadas dentro de alguém.

Não é adequado ao professor, na sala de aula, adotar uma atitude de preconceito ao gênero musical de seus alunos. Antes, deve tentar compreender o porquê de tais escolhas e direcionar seus esforços para apresentar novos horizontes ao alunado tão vazio, muitas vezes, de conhecimentos de várias ordens, não se apresentando nenhuma alternativa para uma escolha pensada mais logicamente.

Atualmente há tantas músicas vazias de conteúdos... São artistas que só deixam evidenciar o que são e o que a sociedade, ou parte significante dela, quer ou aprecia.

Temos de ter em mente que as manifestações artísticas na mídia, por exemplo, só existem ou têm cabimentos porque há pessoas “comprando” o que está sendo produzido. Portanto, ainda que para nós os gêneros A, B ou o C sejam inadequados ou ilógicos, há motivos que lhes dão sentidos e, cabe a nós, entendê-los para dar os contornos que julgarmos mais adequados para uma vida cidadã plena.

Estes “contornos” não devem ser entendidos como uma atitude preconceituosa, em que se alega que todas as músicas que não nos agradam são fúteis, mas sim, saber reconhecer traços da personalidade de nossos jovens e, identificando algum desvio, trabalhar de forma a amenizá-los, visando uma formação eficaz para todos eles.

Alunos, por exemplo, moradores de comunidades mais desprovidas de recursos fundamentais para a efetivação de uma vida cidadã, desenvolvem, na maioria das vezes, preferências para músicas que retratam a sua realidade.

Se tais preferências musicais são incentivos a uma futura vida de marginalidade, de promiscuidade, ou de uma vida em que o jovem não quer saber de lutar para mudar a realidade que se apresenta, o professor poderá, com um trabalho bem-planejado, dar os devidos contornos, sabendo que o seu trabalho contribuirá para um futuro de menos dissabores na vida destes jovens e daqueles que o cercam.

Tanto nas aulas de língua portuguesa ou de quaisquer outras disciplinas, o gênero musical pode ser abordado. Contudo, professores de língua portuguesa poderão usá-lo para incentivar e promover o prazer da interpretação de textos. Saber interpretar é a chave para a efetivação da cidadania, pois é o falar e o ser entendido que está em questão.

É hora de enfrentarmos as ideias pré-concebidas de que não gosto deste tipo de música e sim daquele, e fazermos da música uma eficaz ferramenta de trabalho.

Avaliação deste Artigo: 4 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










1 COMENTÁRIOS

1 Fabiane Cristina - Cacoal
Muito bom...acredito que trabalhando com músicas em sala de aula será além de divertido um momento de muita aprendizagem, pois através de diferentes palavras conhecermos outros costumes e novos significados. Pretendo desenvolver um trabalho nesse sentido com meus alunos durante este ano de 2010.Parabéns!!
02/02/2010 16:13:38


ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.