Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Assaltaram a Gramática
Erika de Souza Bueno Coordenadora Educacional da empresa Planeta Educação; Professora e consultora de Língua Portuguesa pela Universidade Metodista de São Paulo; Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família; Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). E-mail: erika.bueno@fk1.com.br

Figuras de Pensamentos - 09/04/2008
Hipérbole, Prosopopéia, Reticência e Retificação...

Em postagem anterior, compreendemos cinco figuras de pensamentos, a saber, antítese, apóstrofe, eufemismo, gradação e ironia.

Nesse momento, faz-se conveniente uma breve análise das demais, pois freqüentemente vivenciamos situações em que o uso adequado de cada uma delas torna-se fundamental para o bom entendimento dos endereçados.

Como ocorreu na postagem anterior, há, intencionalmente, algumas manifestações poéticas que visam um maior aprofundamento.

A seguir, aprecie mais quatro manifestações de pensamentos:

Hipérbole: É quando utilizamos expressões demasiadas, intencionando dar ênfase a algumas palavras ou, ainda, passarmos de forma mais contundente algumas de nossas sensações.

Observe que neste trecho do poema “Praia na Ilha”, de Cláudio Willer (poeta, tradutor e ensaísta), a presença de hipérbole é evidente.

“... É navegar o dorso da morte, transformar a consciência; em pátio de ventanias — mas, no entanto; não somos daqui; viemos de muito longe; para descobrir a derradeira praia deserta; no costão oceânico da ilha; cercada de muralhas de vento e claridade...”.

Prosopopéia ou personificação: É quando atribuímos características reais, próprias dos seres vivos (falar, pensar, rir, chorar) a seres inanimados.

Observe que nesses versos de “Prosopopéia” de Bento Teixeira quando marca (mesmo copiando de “Os Lusíadas” de Camões) a Literatura barroca do Brasil.

“A Lâmpada do Sol tinha encuberto, Ao Mundo, sua luz serena e pura, E a irmã dos três nomes descuberto; A sua tersa e circular figura. Lá do portal de Dite, sempre aberto, Tinha chegado, com a noite escura, Morfeu, que com subtis e lentos passos; Atar vem dos mortais os membros lassos”.

Reticência: É quando omitimos intencionalmente uma sucessão de idéias por algum período de tempo.

Observe estes versos de “Reticências” - Fernando Pessoa, utilizando se de seu heterónimo (autor fictício) Álvaro Campos:

“... Vou fazer as malas para o Definitivo, Organizar Álvaro de Campos, E amanhã ficar na mesma coisa que antes de ontem — um antes de ontem que é sempre... Sorrio do conhecimento antecipado da coisa - nenhuma que serei. Sorrio ao menos; sempre é alguma coisa o sorrir... Produtos românticos, nós todos... E se não fôssemos produtos românticos, se calhar não seríamos nada. Assim se faz a literatura...”.

Retificação: Consiste em efetuar correção da afirmação anterior. É apropriada em textos que não permitem nenhum tipo de erro ou rasuras. Também a utilizamos em discursos formais, pois transmite, de forma cautelosa, segurança em nossas palavras.

Observe este verso:

“Poderia me apaixonar, ou melhor, poderia amar... Amar tanto, que todo o meu vigor se transformasse em desalento, ou ainda, em desdém pelo amor que um dia experimentei”.

Fontes: http://paginas.terra.com.br/arte/PopBox/cwillerverso.htm; http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81lvaro_de_Campos; http://secrel.com.br/Jpoesia/facam30.html

Avaliação deste Artigo: 4 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










1 COMENTÁRIOS

1 rossikley - Epitaciolandia
A lingua portuguesa e uma variedade novas descobertas q nos auxiliam para novas experiencias d forma geral.
10/10/2011 13:55:59


ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.