Logotipo do Planeta Educação

Fazer busca detalhada


placeholder for flash movie

Assaltaram a Gramática
Erika de Souza Bueno Coordenadora Educacional da empresa Planeta Educação; Professora e consultora de Língua Portuguesa pela Universidade Metodista de São Paulo; Articulista sobre assuntos de língua portuguesa, educação e família; Editora do Portal Planeta Educação (www.planetaeducacao.com.br). E-mail: erika.bueno@fk1.com.br

Orações Coordenadas - 07/03/2008
Sindéticas e Assindéticas

É de nosso conhecimento que em obras como poesias, poemas e sonetos há o que chamamos de “Licença Poética”. Com o uso desta, vários artistas compõem obras, que segundo a Norma Culta da Língua Portuguesa, apresentam inadequações que visam atingir algum objetivo.

Não são erros, mas sim construções que na linguagem escrita, de forma preconceituosa ou não, apresentam construções diferentes daquelas que são ensinadas nas aulas de gramática das escolas.

Não obstante, iremos apreciar alguns fragmentos de obras poéticas para entendermos o “Período composto por coordenação”, que por serem orações independentes, completam-se pelo sentido. Dentro desse período, há duas classes, a saber, orações assindéticas e orações sindéticas.

Observe o fragmento do poema de Gregório de Matos:

“Te espalha a rica trança, Quando vem passear-te pela fria:
Goza, goza da flor da mocidade; Que o tempo trata a toda legeireza,
E imprime em toda flor sua pisada. Oh não guardes, que a madura idade, Te converta essa flor, essa beleza;
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada”.

Percebe-se que em momento algum houve a presença de conjunção, e é exatamente essa ausência, a principal característica das “Orações Coordenadas assindéticas” que por não apresentarem conjunções, devem ser separadas apenas por vírgulas.

Agora, observe os fragmentos dos seguintes poetas.

Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta”. (Cecília Meireles – “Motivo”) - Conjunção explicativa e aditiva.

“Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um amigo, para nadar, para namorar”. (Carlos Drummond de Andrade – “Viver não dói”) Conjunção adversativa.

“Quero vivê-lo em cada vão momento; E em seu louvor hei de espalhar meu canto; E rir meu riso e derramar meu pranto; Ao seu pesar ou seu contentamento”. (Vinícius de Moraes – “Soneto da Fidelidade”) – Conjunção alternativa.

“... Por isso, meu amor; Não tenha medo de sofrer; Que todos os caminhos
me encaminham pra você”.
(Vinícius de Moraes – “Eu não existo sem você”) – Conjunção conclusiva.

Como podemos perceber, "Orações Coordenadas Sindéticas" ao contrário das “Assindéticas”, são interligadas por conjunções, sejam elas aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas ou explicativas, como nos exemplos que apreciamos há pouco.

Avaliação deste Artigo: 4 estrelas
COMPARTILHE

DeliciusDelicius     DiggDigg     FacebookFacebook     GoogleGoogle     LinkedInLinkedIn     MySpaceMySpace     TwitterTwitter     Windows LiveWindows Live

AVALIE O ARTIGO





INDIQUE ESTE ARTIGO PARA UM AMIGO










6 COMENTÁRIOS

1 vanessa correia de lima - são luisma
euu li esses comentários e eu achei muito bom muito educativoo eu amoo português curso o 9 ano do ensino fundamental e gostaria muito de passar no ifma. e quero muito fazer a proa do enem no 3 ano do ensino médio bjss....!
04/07/2011 19:40:30


2 felipe bastos - sao paulo
hehe muito bom heim!!
11/04/2011 14:00:03


3 carolina carvalho - belo horizonte
Acabo de ler neste mesmo site a interessantíssima entrevista com o educador Tião Rocha e logo a seguir me deparo com esse "consultório gramatical" (plageando as palavras do também leitor Leandro dos Santos) e me questiono afinal: Onde é que eu aplico essa gramatiqueira toda? Alguém aí escreve ou lê fazendo análise sintática e analisando a função das orações coordenadas sindéticas e assindéticas ou ainda as subordinadas? Com que finalidade se insiste em ensinar isto? A escola não deveria preparar os alunos para a vida, ao invés de colocá-los numa fôrma de saberes inúteis?
22/04/2008 15:58:55


4 lucia ortencia prieto avila - Piuma ES
Gostaria de receber estratégias sobre ortografia de maneira, que ficasse fácil entende para explicar ,como foi sobre as orações coordenadas.
14/03/2008 11:28:49


5 Carlos Custódio(Duda Munster) - São Paulo
Estou aprendendo com a sua coluna Érika,com certeza ela será útil pra mim no dia a dia,novamnete parabéns e obrigado!!!
13/03/2008 09:26:17


6 Leandro Ap. dos Santos - Uraí - PR
Olá! Toda semana eu entro aqui pra ver se há alguma opinião interessante sobre língua. Mas, infelizmente, sempre a mesma ladainha dos consultórios gramaticais. Colunista, por favor, leia ao menos um livro, de algum bom autor, sobre linguística/sociolinguistica. Me responda: alguém em sã consciência aprecia orações coordenadas sindéticas? P.S.: Leia a entrevista do Prof. Dr. Marcos Bagno na revista Caros Amigos de fevereiro, aproveite e leia a Coluna dele de março também.
11/03/2008 22:50:17


ENVIE SEU COMENTÁRIO

Preencha todos os dados abaixo e clique em Enviar comentário.



(seu e-mail não será divulgado)


Os conceitos e opiniões emitidos em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores.